Arquivo para novembro 2014 | Página mensal de arquivo

Góis – Aldeia abandonada renasce como unidade turística e ecológica

Uma aldeia do concelho de Góis, que esteve vários anos abandonada, está a renascer como comunidade ecológica no âmbito de um projecto turístico cujo investimento privado ronda um milhão de euros.

Mata do Buçaco – «Trilho adernal» proporciona visitas a coberto vegetal único no mundo

A Fundação Mata do Buçaco (FMB) apresenta o «trilho adernal», percurso criado para visitar um habitat de coberto vegetal da mata que é «único em todo o mundo».

Fórum Vinhos de Portugal evidencidou maior cooperação para promoção internacional conjunta e aproximação do setor do turismo

O Fórum Vinhos de Portugal realizado no Hotel Palace da Curia, no dia 26 de Novembro, foi palco de um balanço do ano que finda e de apresentação da estratégia e dos objectivos para os próximos três anos.

A imagem de um sector unido em torno de objectivos comuns ficou bem explicita durante o Fórum, com as maiores Comissões Vitivinícolas Regionais e a ViniPortugal, em clara actuação articulada, sob a égide do IVV. O estreitamento da cooperação entre todos os responsáveis pela promoção internacional dos vinhos portugueses ficou na quarta-feira assinalado com apresentação da Agenda Comum das Acções de Promoção para 2015. A apresentação desta Agenda resultou de um trabalho prévio entre as diferentes equipas de marketing.

Igualmente ficou demonstrada a acuidade de uma maior aproximação da fileira do Vinho ao sector do Turismo, tendo o Presidente do Turismo de Portugal, João Cotrim de Figueiredo, salientado a abertura para o reforço das parcerias já iniciadas em 2014, ao abrigo do Protocolo assinado com a Viniportugal. A apresentação do Prof. Licinio Cunha exaltando os valores da Experiência e da Autenticidade, como fundamentais na promoção turística de Portugal são já hoje componentes da mensagem associada à Marca Wines of Portugal nos mercados estratégicos, facilitando e tornando mais oportuna a aproximação entre o produto Turismo e o produto Vinho.     

Igualmente o Fórum apontou para a importância de se aproveitar a visita dos turistas a Portugal, como oportunidade de os sensibilizar e educar para as características distintivas dos nossos vinhos, cuja diversidade é o principal atributo. Educá-los cá permite-nos com menor esforço conquistar futuros prescritores dos vinhos nacionais.  

Frédéric Julia, Presidente da Vertumne Internacional, abordou a complementaridade entre a promoção das marcas privadas e coletivas, sobretudo pelo elevado investimento exigido para a promoção internacional de uma marca privada. Embora o consumidor, à medida que aumenta o seu grau de conhecimento sobre vinho tenda a percepcionar melhor as marcas privadas, as exigências em matéria de esforço financeiro aconselham à necessidade de se manter o investimento nas marcas colectivas sejam as DOC ou a marca País.
 
No final da Fórum a ViniPortugal destacou que as exportações de vinho português mantiveram um crescimento sustentado nos últimos cinco anos, afirmando que este crescimento foi superior nos mercados prioritários trabalhados. Jorge Monteiro, presidente da ViniPortugal, afirmou que se atreve a acreditar que as exportações continuarão a crescer, pois o sector está unido em torno de estratégias e objectivos comuns.

José Diogo Albuquerque, secretário de Estado da Agricultura, elogiou a estratégia conjunta e incentivou as exportações, sustentando que quanto mais o setor exportar mais poderá canalizar verbas para a exportação.

Paulo Portas, vice-primeiro ministro, também fez questão de marcar presença no Fórum, tendo enviado uma mensagem em vídeo na qual destacou que “Hoje não é possível falar de Portugal sem o vinho.” Enalteceu a imagem moderna do vinho nacional e o investimento na reestruturação do setor, que contribuiu para que o vinho seja hoje uma referência em inovação e sofisticação.   
 
Fonte:  Wines of Portugal

Paços de Ferreira – Certificação do Capão à Freamunde vai dar escala nacional à iguaria

A certificação do Capão à Freamunde com Indicação Geográfica Protegida (IGP) vai desencadear uma entidade que assegure a distribuição da iguaria à escala nacional e todo o ano, prevê a associação de criadores.

Silves – Município integra rota que liga cidades com herança islâmica na Andaluzia e Algarve

Silves, antiga capital algarvia, foi incluída numa rota turística inspirada no rei islâmico Al-Mu’tamid que liga cidades da Andaluzia (Espanha) e do Algarve, anunciou a autarquia, adiantando já ter sido colocada sinalética na cidade.

Cante alentejano – Património Imaterial da Humanidade três anos depois do fado

A UNESCO proclamou a 27 de Novembro, em Paris, o cante alentejano como Património Imaterial da Humanidade, exactamente três anos depois de ter atribuído a mesma distinção ao fado numa reunião na Indonésia.

Cante – Classificação da UNESCO é «orgulho» para Portugal – Casa do Alentejo

O presidente da Casa do Alentejo, João Proença, destacou que o dia de hoje, marcado pela consagração do Cante Alentejano como Património da Humanidade, é «marcante para os alentejanos» e «um orgulho muito grande para o país».

Oeste – Quase cinco milhões de euros investidos nas comunidades piscatórias

Quase cinco milhões de euros estão a ser investidos até ao final de 2015 no desenvolvimento das comunidades piscatórias da região Oeste, segundo o Grupo de Acção Costeira (GAC) do Oeste, gestor na região do Programa Operacional das Pescas.

UNESCO – Cante Alentejano é Património Imaterial da Humanidade

O Cante Alentejano é Património Cultural Imaterial da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO). A decisão foi conhecida hoje em Paris no decorrer a 9.ª reunião do Comité Internacional da UNESCO para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial (PCI).

Livro – «Receitas e Sabores dos Territórios Rurais» para descobrir a identidade portuguesa

Em duas décadas de associações de desenvolvimento local em Portugal muitas são as recolhas do património feitas. As receitas dos pratos portugueses integram essa recolha que pode agora ser consultada no livro «Receitas e Sabores dos Territórios Rurais». Uma obra relevante porque a gastronomia gera economia e está intrinsecamente ligada à identidade dos territórios, adianta a Federação Minha Terra, entidade promotora do livro.